Composição.


De que é feito o EPS?

Simplificando, o EPS é 98% de ar e 2% de plástico.

Obtido a partir da transformação de espuma de poliestireno expansível, o seu material de base é um monómero de Estireno. O monómero é um subproduto do petróleo e da nafta produzida durante a refinação de petróleo, e que constitui uma fonte pronta e contínua. O Estireno ocorre naturalmente em muitos alimentos como os morangos, os grãos de café, a cerveja e o vinho.

O Poliestireno é produzido quando o monómero de estireno é polimerizado em cadeias longas num reactor com água . Um gás chamado pentano é usado como um agente de expansão, não-CFC, para conduzir o poliestireno ao seu estado final de baixo peso e forma celular expandida , originando a espuma de poliestireno , o material bruto de partida para a fabricação de espuma de poliestireno expandido . Durante o processo de produção, o pentano que tem baixa volatilidade é rapidamente decomposto em dióxido de carbono e água. Por exemplo, nos sistemas digestivos dos animais a mesma reacção é produzida quando a matéria vegetal se decompõe num processo de compostagem anaeróbia.

Como todos os plásticos , o poliestireno expansível é derivado do petróleo , sendo dos mais nobres produtos químicos que resultam do "ouro negro ". E, em última análise, deve ser notado que apenas 7% do óleo é dedicada à fabricação de produtos químicos e plástico sem comparação com 93 % no gasto de transporte (gasolina) e aquecimento.

Com base nos actuais testes e regimes de classificação da UE, o monómero de estireno não é tóxico em nenhuma das suas formas normais de utilizaçãoe, não está classificado como substância cancerígena ou mutagénica. O pentano, utilizado enquanto agente expansor, não é prejudicial par a a camada de ozono , ao contrário dos CFCs ou HCFCs.

Transformação.


Que processos são utilizados?

Produzido há mais de meio século, o EPS e respectivos fabricantes cumprem todos os requisitos e normas regulamentares e legislativas actuais.

Nas instalações dos produtores de EPS, a matéria-prima é sujeita a um processo de transformação física, já não alterando as suas propriedades químicas. O processo de transformação da matéria-prima ( poliestireno expansível) em poliestireno acabado é realizado em três fases:

Fase 1:Pré-Expansão

A matéria-prima é aquecida por contacto em máquinas especiais, os pré- expansores, com vapor de água a temperaturas entre 80 e 110° C. Dependendo da temperatura e do tempo de exposição do material a sua densidade diminui, podendo chegar a ser até 40 a 50 vezes menor . No processo de pré-expansão , as pérolas compactas da matéria-prima são transformadas em esferas de plástico celular com pequenas células fechadas que contém ar no seu interior. Obtém-se assim o granulado de EPS.
Fase 2:Repouso intermédio e Estabilização

Ao arrefecer as partículas recém-expandidas cria-se um vácuo no seu interior que é necessário compensar com a penetração de ar de difusão . Desta forma, os grânulos alcançam uma maior estabilidade mecânica e melhoram a sua capacidade de expansão , o que é vantajoso para a próxima etapa do processo. Este processo ocorre durante o repouso intermédio do material pré -expandido em silos ventilados. Ao mesmo tempo os grânulos são secos .

Fase 3:Expansão e Modelagem Final

Nesta fase, o granulado pré-expandido e estabilizado é introduzido em moldes onde são novamente aquecidos com vapor de água soldando o granulado entre si, e criando o formato desejado. Assim obtém-se um material expandido, que é rijo e contém uma grande quantidade de ar.

Desta forma, pode obter-se grandes blocos paralelepipédicos de EPS, posteriormente cortados nas formas desejadas (placas , arcos, cilindros, e outros para a Construção Civil) ou, produtos moldados, sendo o granulado insuflado para dentro de moldes com a conformação das peças pretendidas.
A escolha do tipo de matéria-prima e a regulação do processo de fabrico, permitem a obtenção de uma ampla gama de tipos de EPS, com diversas densidades, cujas características se adaptam às aplicações previstas.

Os processos de produção incluem uma combinação de calor e pressão com recurso a tecnologias limpas e uma minimização de entradas de energia e de água, através de um circuito fechado de reciclagem de energia. Por todas estas razões , a fabricação do EPS é um processo altamente eficiente.

Durante este processo não são criados resíduos sólidos se, os desperdícios e off- cuts são reintroduzidos no lote de produção imediatamente. As emissões atmosféricas, ou para a terra e água são rigorosamente controlados , com impactos mínimos e localizados.

Quais os impactos da indústria do EPS?

Quando usado, especialmente, na construção e como solução de isolamento, os impactos que a utilização do EPS poderá gerar serão muito menores quando comparados com a utilização de outros recursos, permitindo uma economia dos mesmos. Isto significa que os recursos utilizados no processo de fabrico e fornecimento de EPS, face ao seu excepcional desempenho irão garantir um retorno muito maior na redução de utilização de outros recursos (ex.: a poupança de calor e utilização de aquecimentos, quando instalado num edifício). Concluindo assim que o EPS permite um retorno máximo para um mínimo de recursos.